Drinks exclusivos

Carrossel Holandês

Inovadora e corajosa. Esses são alguns dos melhores adjetivos para definir a seleção holandesa de futebol, que conquistou o segundo lugar na Copa de 1974 mostrando sua garra até o fim. Após uma trajetória cheia de vitórias, um empate e nenhuma perda, ela foi derrotada pela Alemanha Ocidental. Mas o título de “vice” não a desmereceu: até hoje, a formação daquele ano é lembrada pela versatilidade dos jogadores, que alternavam entre várias posições, e pelo entrosamento.
Com a galera do Brazuca, ela é lembrada com o drink Carrossel Holandês – um dos apelidos que a seleção ganhou na época. A bebida traz gin, típico da Holanda, além de suco de tangerina e licor fino de pêssego. Juntos, eles mostram um pouco do gosto “elétrico” que os jogadores exibiam em campo.

 

Beifall

A seleção alemã intimida, vai com garra e direto ao ponto. Ao menos foi isso que ela mostrou na Copa da Suíça, em 1964. No segundo jogo da primeira fase, ela foi goleada pela Hungria, num jogo de 8 x 3. Ambas prosseguiram numa trajetória repleta de vitórias até o jogo final, em que se enfrentariam novamente. Mas dessa vez, a coisa mudou: a Alemanha, muito mais preparada, virou o jogo – que havia começado com vitória do rival – e levou o primeiro título do país, quebrando a hegemonia húngara de quatro anos. Na raça!
O drink Beifall é inspirado no time alemão. Suave e levemente adocicado, ele tem como base o vinho branco. Junte a ele suco de abacaxi, xarope de cereja e o toque da água com gás, e o resultado é um drink que, além de bonito de se ver, tem o gosto doce como uma vitória de virada.

 

Seleção Canarinho

O uniforme canarinho da Seleção Brasileira é visto com muito carinho pelos torcedores até os dias de hoje. A verdade é que ele surgiu numa tentativa de mudar o astral da seleção após a derrota na Copa de 1950. Concebido pelo gaúcho Aldyr Schlee, ele foi usado a partir de 1954, mas isso não serviu para reverter o cenário da seleção, que perdeu novamente. A primeira vitória dos jogadores com o uniforme só aconteceu com a vitória do bimundial, em 1962; daí em diante, vários trunfos o marcariam, e ele se tornaria um dos mais queridos no imaginário do público.
Assim como o uniforme em questão, o drink Seleção Canarinho vai te conquistar. Junte nossa saborosa cachaça artesanal, erva cidreira e o brasileiríssimo caju e pronto: uma bebida pra esquentar para a Copa do Brasil e pra espantar qualquer zica.

 

Capuccino Frozen

A Itália possui um legado sólido, construído pouco a pouco. São três vitórias em Copas do Mundo, algo que por si só já a coloca como destaque no Futebol Europeu. Cada década traz uma geração diferente de jogadores destaques, que compunham a Seleção – entre elas, aquela que “abocanhou” o tricampeonato, em 1982. Nela, nomes como Paolo Rossi, Dino Zoff, e Marco Tardelli mostraram suas habilidades e seu estilo elegante de jogo.
Prestigiados por sua mistura de experiência e modernidade, a seleção italiana ganha um drink a altura: o Cappucino Frozen, que também é uma união que dá muito certo: licor de café com o toque cremoso do leite condensado. Com muito gelo, se torna ainda mais delicioso.

 

Clericot

Reconhecida por seu esforço, a seleção Uruguaia não coleciona tantas vitórias quanto alguns, mas sempre mostrou ter bastante fibra para jogar. Fibra que a seleção brasileira também já provou: em 1950, nosso time viu as chances de ir para a final serem perdidas após um belo jogo em que o Uruguai foi campeão (2×0). Nossos jogadores precisavam de um empate ou uma vitória para prosseguirem. Mas nem nossa gana de vencer deteve os uruguaios, que se superaram para vencer a disputa.

Perder nunca é bom, não é? Mas a gente deve reconhecer também quem manda bem. E os uruguaios fazem isso! Para homenageá-los, decidimos juntas os ingredientes que eles mais prezam num único drink: vinho branco licoroso doce, refrigerante de maçã, abacaxi e carambola. O resultado é o Clericot, uma bebida que os uruguaios conhecem muito bem – e que você tem que provar.

 

Gentleman

O histórico da Inglaterra em Copas do Mundo é admirável. Das nove últimas, ela esteve em oito. Mas mesmo conquistando o título em casa em 1966, só no Mundial da Itália em 1990 ela chegou as semi-finais novamente. Ainda assim, ela está vindo para a próxima Copa com três vitórias e um empate nos jogos classificatórios da Europa. Com nomes como o jogador Wayne Rooney entre seus jogadores, ela poderá trazer algumas surpresas na manga. E a típica classe inglesa que a gente conhece.
Em tributo à ela, o drink Gentleman também faz você se sentir um cavalheiro. Sofisticado – com gin, chá gelado de pêssego e folhas de hortelã – ele é refrescante na medida certa e vai te fazer sentir muito mais “cool”.

 

Maradona

 

Deixando de lado qualquer rixa, é verdade: a seleção Argentina também faz bonito. Chegando ao Brasil para disputar sua 16ª Copa. Campeã em 1978 e 1986, ela não consegue lugar entre as finalistas desde a década de 1990. Mas isso pode estar prestes a mudar. Entre os jogadores que buscarão levar a taça para os hermanos está Lionel Messi – eleito quatro vezes o melhor jogador de futebol do mundo nos últimos cinco anos. O rapaz, que por si só já merece atenção, pode emprestar ao time a gana dos tempos antigos. Será que o país poderá ser nosso rival em jogos decisivos? Seria a revanche ideal para os jogos de 1990, em que Maradona fez o gol que arruinou o sonho do Tetra naquele ano.
O eterno camisa 10, aliás, é inspiração para o drink que homenageia a seleção argentina. Feito com vodka, maçã verde, abacaxi, hortelã e água com gás, “Maradona” traz um sabor cheio de presença.

 

Sangria

Depois de 90 anos de Copas do Mundo, a Espanha conseguiu emplacar uma vitória mundial: mais precisamente no ano de 2010. Mesmo com o longo percurso, a sua seleção sempre esteve disposta a provar que, sim, era dura na queda. Não à toa, ela é apelidada de Fúria, mostrando toda a força que seus integrantes possuem. 

Para fazer jus a essa reputação, nada melhor do que uma bebida igualmente forte e tradicional para os espanhóis: a Sangria. Vinho tinto, suco de laranja, refrigerante de maçã, abacaxi e limão compõem essa receita clássica que nunca sai de moda e sempre gera impacto.

 

Santé

 

Ok: depois de ter vencido a seleção brasileira na Copa de 1998 depois de um jogo pra lá de tenso, a França deixou todos nós um pouco magoados. Mas depois de vencer tantos campeonatos esportivos importantes, como a Copa América e os Jogos da Francofonia, bem que faltava a ela o título mundial no maior evento do futebol. É uma vitória a mais no currículo de uma seleção que sabe fazer bem seu trabalho com estilo…
… bem como o Santé, bebida que a Brazuca oferece para remetermos a França. Com frisante, xarope de morango e suco de abacaxi, ela é uma doce pedida – que afoga qualquer mágoa que você tenha em relação à seleção francesa!